litur

todastoptercas



O gigante acordou? Mas quem o está comandando? O que querem?

Postado por em em Notícias
  • Tamanho da fonte: Maior Menor
  • Acessos: 3343
  • 0 Comentários
  • Increver-se para receber atualizações
  • Imprimir

1234O fenômeno das manifestações populares em combate aos aumentos das tarifas de ônibus e contra a corrupção tomou conta das ruas do Brasil. Neste artigo, o padre Eduardo Braga (Dudu), da Arquidiocese de Niterói/RJ, traz algumas reflexões necessárias sobre o assunto. Confira.

 

O Brasil está vivendo um momento histórico com este fenômeno das “manifestações”. Praticamente ninguém mais questiona a liberdade democrática de expressarmos, como cidadãos, nossos direitos. Mas o que começamos a ver no nosso país ainda é obscuro. Que movimento é este? O que ele pretende? Quem são os seus mentores? Sem estas respostas seria no mínimo imprudente, sob meu ponto de vista, aderi-lo.

 

Estamos indo às ruas por causa de 20 centavos? Queremos apenas passe livre? O país do futebol está indignado com a Copa? Por que este movimento começa exatamente agora? É verdade, que a organização deste movimento não pode conter os vândalos? Estamos caminhando para uma guerra civil também no Brasil? Destruir nossas cidades nos garantirá um Brasil melhor? Deseja-se reforma ou faz-se revolução? Estamos seguros para dizer que está caindo um paradigma no Brasil?

 

Estamos lutando contra a corrupção, desvios de verbas, falta de segurança, infraestrutura na educação e na saúde. Amém! Que assim seja. Mas é isto mesmo? Será que não são também os próprios corruptos que tomaram através do brinquedinho das redes sociais o ''controle remoto'' do gigante que estava ''deitado eternamente em berço esplêndido'' e estão manipulando massas para a próxima eleição?

 

Manifestantes, baderneiros, criminosos, oportunistas, estudantes e aproveitadores. Quem é quem nas ruas? Ir para ruas assim? Cinegrafistas, repórteres e trabalhadores feridos. Comerciantes saqueados. E o ataque aos policiais? Eles também não são brasileiros? Também não querem melhorias? Atacá-los por quê? E nossos monumentos históricos depredados e pichados? Nem mesmo nossas Igrejas foram poupadas!

 

Na quinta-feira (20), foi de fato um dia histórico. O protesto pelo país levou 1,25 milhão de pessoas, mas também acabou em um morte, centenas de feridos, vários confrontos. O Rio reuniu o maior público (300 mil pessoas), e, em Brasília, vândalos atacaram inclusive o Palácio do Itamaraty. A presidente Dilma pediu aos ministros uma reunião extraordinária, o Senado permaneceu em vigília. Os políticos já perceberam a força de tal movimento. Mas, voltemos ao questionamento inicial: O que deseja afinal este movimento?

 

Aproveitando um pensamento de um bispo católico nordestino, quero pedir, sobretudo, aos nossos jovens, que pensem antes de ir às ruas em três aspectos:

 

1- Que tais manifestações não sejam manipuladas por grupos, sobretudo, partidos especializados nisso: pegar carona em atos públicos para usá-los ideologicamente;

2- Que não caia em atos de violência, anarquia e vandalismo. Na democracia devem caminhar juntos a liberdade de expressão e o respeito à ordem.

3- Que se procure esclarecer, ao menos em linhas gerais, quais demandas, quais reivindicações, estão no coração da sociedade.

 

Manifestemos com a vida pura! Coragem, paciência, prudência. O amor continua sendo a melhor forma de mudança!

 

Pe. Eduardo Braga (Dudu)

Arquidiocese de Niterói/RJ

 

 

 

Fonte: RCCBRASIL

0

Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

Visitante Quarta, 29 Junho 2022